Museu do Amanhã

O Museu do Amanhã, gerido pelo IDG – Instituto de Desenvolvimento e Gestão, é um museu de ciências aplicadas que explora as oportunidades e os desafios que a humanidade terá de enfrentar nas próximas décadas a partir das perspectivas da sustentabilidade e da convivência. Visitado por mais de 3 milhões de visitantes desde a sua inauguração, em dezembro de 2015, o Museu do Amanhã é um exemplo de parceria público-privada. Criado por iniciativa da Prefeitura do Rio de Janeiro, com patrocínio Máster do Banco Santander e uma ampla rede de patrocinadores que inclui empresas como Shell, IBM, IRB-Brasil RE, Engie, Grupo Globo e CCR, o museu foi originalmente concebido pela Fundação Roberto Marinho.

O novo ícone cultural e turístico do país está entre os locais mais fotografados do Brasil, segundo o Instagram, e segue instigando o interesse do público com uma nova atração idealizada para ampliar a experiência do visitante com recursos de Inteligência Artificial aplicados de forma inédita.  Além de se consagrar como uma das principais atrações do país, o Museu do Amanhã é reconhecido com um local democrático, de acesso a públicos com perfis diversos, uma referência de inclusão social, que promove uma agenda regular de engajamento, interação e mobilização.

Internacionalmente, o Museu conquistou notoriedade global ao longo desses quase três anos de operação com vários reconhecimentos entre premiações, menções honrosas e homenagens de organizações do setor. Recentemente, por exemplo, conquistou o prêmio britânico Leading Culture Destinations Awards, que é considerado o Oscar dos Museus,elegendo a instituição carioca como a “Melhor Organização Cultural do Ano para promoção de ‘Soft Power’ ". O modelo de gestão do IDG, entre outros fatores destacados pelo prêmio, foi reconhecido como exemplo nacional de gestão e autofinanciamento, enfatizando o caráter inovador do projeto. Em 2016, Museu do Amanhã já havia sido reconhecido por este mesmo prêmio na categoria “Melhor Novo Museu do Ano das Américas e Caribe”. Mas desta vez figurou em categoria ainda mais ampla, superando concorrentes de peso como o Louvre de Abu Dahbi e o Museu de Vancouver. Confira os principais prêmios conquistados pelo Museu. 

Com isso, o Museu vem firmando parcerias internacionais com instituições como Agências da ONU, Science Museum, em Londres, Dade College de Miami, Climate Museum de Nova York, Museu de Melbourne, Universidade da Austrália, Fundesplei, da Espanha, UN Live Museum de Copenhagen e o Futurium, de Berlim (mais recente), Google Cultural Institute; Science Museum, DutchCulture, Shenzhen Museum, entre outros, ampliando o espetro de relações e trocas do Museu, além das inúmeras parcerias locais.